QUE ANO FOI ESSE

Compartilhe





E 2016 está quase virando passado. Deveria ser um ano para ficar na memória dos torcedores como inesquecível, diante das conquistas com que nos brindou. Entre elas, a primeira medalha de ouro brasileira no futebol olímpico.

Foi também o ano em que, também pela primeira vez, as olimpíadas se realizaram na América do Sul. E o país escolhido foi justamente o Brasil, tendo como sede o Rio de Janeiro.

2016 poderia ser lembrado como o ano que teve um emocionante Campeonato Brasileiro. A disputa foi ferrenha em todos os níveis. Tanto na parte de cima, que terminou premiando a melhor equipe, o Palmeiras, com o título de campeão brasileiro, quanto na parte de baixo, onde a luta contra o rebaixamento se estendeu até a última rodada.

Foi um ano que tinha tudo para terminar de forma brilhante para as diversas modalidades de esporte brasileiras. Era para deixar saudade no bom sentido. No entanto, quis o destino fechar a conta com a maior tragédia do mundo, envolvendo o futebol.

A queda do avião, que matou quase toda a delegação da Chapecoense e 20 jornalistas, faz com que todos os grandes momentos vividos em 2016 sejam praticamente esquecidos. A dor de tão grande perda faz com que tudo o mais pareça pertencer a um passado distante.

Mas, por maior que seja a dor, o ser humano sempre cumpre sua difícil missão de se reerguer das cinzas, de renascer e dar a volta por cima. Porém, essa volta por cima tem que incluir uma revisão no esporte. Alguma coisa tem que ser feita para tornar as inevitáveis e constantes viagens mais seguras.

Quem sabe, exigir um tipo de aeronave específica e não mais deixar por conta de cada clube definir que avião ou empresa aérea contratar. Temos que ter, em primeiro plano, a segurança de todos os que embarcam.

Tomara que o sacrifício de 71 vidas não tenha sido em vão. Tomara que os responsáveis adotem medidas rigorosas para os vôos. Acima de tudo, tem que estar a vida humana.
Que Deus abençoe a todos e permita que nunca mais tenhamos que viver momentos de tamanha dor e drama.

 

José Carlos Araújo


Compartilhe

Deixe seu comentário

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *